Por que o congestionamento é bom?

Kent Strumpell | Tradução: Claudio de Senna Frederico
Texto publicado originalmente no Streetsblog LA e retirado da Associação Nacional de Transportes Públicos
Em artigo traduzido por Claudio de Senna Frederico, o autor norte-americano Kent Strumpell discute as tentativas de melhorar o trânsito e os benefícios das ruas congestionadas.

Lamentar os males do congestionamento tornou-se talvez a queixa mais comum ouvida sobre a vida urbana hoje. Todos resmungam sobre isso, mas poucos fazem algo significativo para diminuir a sua própria contribuição. De alguma forma, pensamos, o governo deve resolvê-lo. Mas todos nós sabemos que isso não tem funcionado. Preso a ele e parados em nossos caminhos, aqui está uma lista parcial dos benefícios de ficar parado no trânsito.

Tráfego congestionado é uma das poucas restrições a utilização excessiva do automóvel

Quando uma mercadoria, como a rua, fica com oferta folgada, o resultado é invariavelmente o uso excessivo. Tráfego pesado faz com que a maioria dos motoristas pensem duas vezes antes de usar seus carros nos horários de pico e incentiva muitos a dar carona, usar meios alternativos de viagem ou ficar mais próximo de seus destinos mais comuns.

A experiência diária no congestionamento pode aumentar o apoio público para investimentos em meios de transporte mais eficientes e ambientalmente sustentáveis, como transporte público, ciclismo e caminhada, que têm vários benefícios sociais e que estão precisando de mais apoio.

O congestionamento pode melhorar a atratividade de atividades à margem das ruas congestionadas.

Estradas com trânsito lento são mais propícias para caminhadas, compras, refeições ao ar livre, conversar, atravessar a rua, para as crianças brincarem nas calçadas, etc. Em ruas com tráfego rápido, barulhento, todas essas atividades são menos viáveis e menos agradáveis.

Tráfego lento é mais seguro.

É um fato provado que a gravidade das colisões de veículos aumenta dramaticamente com o aumento das velocidades. Tráfego mais lento também aumenta a segurança para pedestres e ciclistas.

O congestionamento pode aumentar o valor das propriedades de comércio.

Quando os carros conseguem acelerar até ou mesmo acima do limite de velocidade, os motoristas percebem menos os empreendimentos à beira da estrada. Quando o tráfego diminui ou para, os passageiros e motoristas têm mais oportunidade de perceber o que está ao seu redor e visitar o comércio e os empreendimentos ao redor.

Tráfego mais lento pode reduzir o consumo de combustível (não no anda e para)

A velocidade com que os veículos a motor atingem a sua maior eficiência e menores níveis de emissões é de cerca de 50 km/h (mas no nível do anda e para as coisas pioram). Acima de 50 km/h, o arrasto aerodinâmico aumenta o consumo de combustível na maioria dos carros.

Tráfego mais lento pode melhorar a capacidade da estrada.

Com o tráfego entre 40 e 55 km/h as estradas atingem sua maior capacidade. Acima disso, a capacidade diminui pelo aumento desproporcional do espaço entre os carros.

O ponto desta lista não é de defender ou encorajar mais congestionamento, mas apontar o que mutas vezes é negligenciado como efeito colateral negativo da tentativa de elimna-lo. O congestionamento pode ser uma condição mais favorável do que a tentativa de alivia-lo. Se serve de consolo, todas as cidades prósperas do mundo têm congestionamentos (embora muitos também fornecem alternativas diversas ao uso do carro).

A solução para ruas obstruídas não será encontrada em alguma combinação ótima de melhorias das ruas, tecnologia avançada e ajustes de comportamento. Em vez disso, a chave para se torna-las menos sobrecarregadas pelo tráfego é construir e equipar nossas comunidades para que possamos atender um número cada vez maior de nossas necessidades diárias sem dirigir.

Claro, nem todo mundo é capaz de viver perto de seu trabalho, mas seria possível planejarmos o uso do solo incentivando e facilitando a criação de bairros compactos, tranquilos, de uso misto, em vez de comunidades segregadas orientadas ao uso do automóvel. Quanto às viagens ao trabalho, são apenas um dos motivos de viagem: muitas outras são para destinos que poderiam ser encontrados na proximidade de nossas residências.

As ruas em áreas urbanizadas provavelmente sempre terão congestionamento. Nossas opções para aliviar isso são cada vez mais limitadas e caras. Se projetarmos nossas comunidades para fornecer uma parte maior de nossas necessidades sem dirigir, um número maior poderá optar por deixar o congestionamento.

 

Kent Strumpell é um membro do Conselho Diretor da Associação de Ciclistas de Los Angeles e um defensor de planejamento do transporte e da comunidade.

 Claudio de Senna Frederico é consultor e entusiasta da nova mobilidade urbana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *